Aqui você se encontra!

Como Resolver Problemas de Insegurança Emocional

mulher-cama
  • 08 de nov de 2016
  • Sheila Almeida
  • 1261 Visualizações
  • Seja o primeiro a comentar

Todo mundo é inseguro. Todo mundo tem medo de perder o amor da mãe, do pai, do filho, dos amigos, do companheiro. Todo mundo pode ter medo de perder o emprego, de se achar dispensável a qualquer momento, mesmo que sua competência profissional seja pública e notória, a insegurança está lá, latente, correndo pelo sangue, amedrontando o dia-a-dia. Quando essas inseguranças inerentes à espécie humana tornam-se exageradas, é necessário parar para pensar e, numa atitude saudável, pedir ajuda. Da onde vem a insegurança? As sensações de segurança e de insegurança fazem parte da constituição do psiquismo e vai depender das vivências de satisfação e frustração que o bebê tem com o meio-ambiente.

A insegurança emocional nem sempre reflete a realidade. Ela se caracteriza por um sentimento de inferioridade, de quem não se acha digno de ser amado(a), de que não é possível que alguém ame uma pessoa tão comum e sem atrativos. A pessoa insegura pensa que certamente surgirá alguém melhor do que ela para o seu parceiro. Ou, que talvez já exista, tentando roubá-lo de si. Por não acreditar em si mesmo, o(a) inseguro(a) tem a impressão de que, a qualquer momento, perderá o ser amado.

Quando o homem é inseguro tem uma forte sensação de ser incapaz. Ele irá procurar uma profissão que esteja aquém de suas capacidades para poder sentir segurança de que poderá cumprir as suas tarefas. Talvez até seja mais capaz, mas por insegurança, prefere o caminho mais confiável das coisas mais fáceis. Ele jamais vai se aproximar de uma mulher muito bonita, bem-sucedida e desejada. O inseguro vai desejá-la, mas jamais se sentirá à altura para poder conquistá-la. E, mesmo se ela se interessar por ele, não acreditará nesta possibilidade. Tentará uma desculpa para afastar-se.

Vai procurar outra menos favorecida com quem ele se sinta mais à vontade. Ao lado de uma mulher exuberante, a sua baixa autoestima, sua pequenez se agravará e se tornará insuportável. O homem inseguro vive com ciúmes e até mesmo a inveja, muitas vezes disfarçando esse sentimento aparentando uma falsa indiferença pela mulher. No fundo, porém, ele se acha inferior a ela e teme que ela arranje outro melhor do que ele.

Já a insegurança feminina tem origem no medo de não ser amada e pode afetar tragicamente a sua estrutura emocional. Por não se achar digna de amor, a mulher pode fazer tudo para conquistar pequenas provas de afeição e se transformar numa escrava. Só que homem nenhum ama uma escrava, apenas a escraviza. Ela vai gastar todas as suas energias fazendo sacrifícios e as provas de amor não virão a contento. Pode também assumir um comportamento oposto, passando uma sensação de arrogância e tentando deixar o parceiro sob o controle. E uma das formas de fazer esta manipulação, é através da culpa projetada sobre ele.

A mulher insegura põe em dúvida até a sua condição feminina. Pode achar o fato de ser mulher uma desvantagem e, assim, viver sempre instável em relação ao sexo. Isso fará que ela tente competir com o parceiro, embora seja uma mulher frágil, insegura e carente. No fundo não vai convencer nem a si mesma, embora tente controlar a relação com jogos emocionais que deixem o parceiro inseguro para ela se proteger. Com o tempo isso se tornará muito perigoso, pois o seu parceiro se conscientizará disso e ela poderá arcar com as consequências disso no futuro. A perda será muito provável.

Grande parte desta insegurança vem da infância. Talvez tenha sido uma criança mal amada, e inferiorizada em sua capacidade. Estas influências provocam na criança, sentimentos de culpa, medos, frustrações. A insegurança acompanhada pela timidez está associada à diminuição da autoestima que pode ser causada por um sentimento de inferioridade. Sentimentos de insegurança decorrem de uma falta de controle e confiança. Estar diante de circunstâncias difíceis, e poder utilizar o poder de lidar com elas torna tudo mais fácil de encarar.

Porém, contar com a cooperação dos outros de uma maneira que o outro não pode cumprir eficazmente, pode tornar-se muito frustrante. Dúvidas, incertezas sobre escolhas, incapacidade para tomar decisões, questionamento constante sobre tomada de decisões simples, roupa que deve vestir, restaurante que deve ir, caminho que deve percorrer, entre outras indecisões podem comprometer a rotina da pessoa, seu desempenho profissional e suas relações.

Para lidar com a incerteza mais grave, capaz de efetivamente limitar a maior parte da vida, é muito útil consultar um psicoterapeuta, capaz de dirigir a mente para a conscientização e resolução do problema. Falar sobre o desconforto com alguém que ouve sem julgar realmente ajuda a racionalizar o problema e encontrar as ferramentas adequadas para lidar com ele.

Deixe um comentário