Aqui você se encontra!

Espiritualidade, Emoções e Sentimentos

mulher-bracos-abertos
  • 10 de Mai de 2016
  • Sheila Almeida
  • 1522 Visualizações
  • Seja o primeiro a comentar

Em uma visão espiritualista, de modo geral, as doenças são encaradas como um sinal de que estamos vivendo um momento de intensa insatisfação e contrariedades com a nossa natureza interior. São uma pressão do nosso ego racional sobre os desejos e aspirações da alma. A alma indica um caminho para mudar uma situação, para crescer, mas o ego através da mente racional simplesmente nega as aspirações da alma. Afirma-se que qualquer que seja a causa das doenças, a sua raiz principal e mais profunda está na alma humana, que não está sendo considerada nas escolhas e decisões relacionadas com a vida.

Emoções e Sentimentos, ainda atualmente são confundidos e consequentemente tratados como sinônimos, porém existem diferenças evidentes irrefutáveis que os distinguem, separando-os de uma forma quase radical. As Emoções são fundamentais para o desenvolvimento saudável e até mesmo para a sobrevivência. Como é evidente e óbvio, os animais também possuem emoções, embora não tão elaboradas, especificas e variadas como os seres humanos. Estudos distinguem vários tipos de emoções.

Emoções Primárias: são consideradas inatas ou “reflexas”, são comuns a todos os seres humanos, independentemente de fatores sociais ou socioculturais. Deste grupo fazem parte as emoções básicas ou elementares, como: a alegria, tristeza, medo, nojo, raiva e surpresa.

Emoções Secundárias ou Sociais: são mais complexas que as primárias, estas dependem de fatores e variáveis socioculturais. Estas podem variar amplamente e radicalmente entre culturas e/ou sociedades. Exemplos dessas emoções: a culpa, a vergonha, a gratidão, a simpatia, a compaixão, o orgulho, a inveja, o desprezo, o espanto, entre outros.

Emoções de Fundo: estas estão relacionadas com o bem-estar ou com o mal-estar interno. Estas são induzidas por estímulos internos, com origem em processos físicos ou mentais, levando o organismo a um estado de tensão ou relaxamento, fadiga ou energia. Estas emoções expressam-se em alterações musculoesqueléticas, refletindo-se em variações na postura e nos movimentos.

Uma emoção propriamente dita é um conjunto de respostas químicas e neurais que formam um padrão diferente do habitual. Estas respostas são produzidas quando o cérebro normal, recebe um estímulo que “quebra” esse “equilíbrio”, desencadeando a emoção.

Os sentimentos são únicos aos seres humanos, podemos considerá-los uma evolução das emoções. O sentimento é uma auto percepção do próprio corpo, acompanhada pela percepção de pensamentos com determinados temas e pela percepção de um modo de pensar.

O sentimento pressupõe necessariamente um juízo sobre um conjunto de auto percepções e, neste sentido e na sua essência, os sentimentos são ideias. Resumindo, os sentimentos são uma ideia sobre o corpo e/ou organismo, quando este é perturbado de alguma forma pelos processos emocionais.

Os sentimentos são mais conscientes que a emoção, pois enquanto as emoções muitas vezes chegam ao ser humano e aos animais de forma inconsciente, o sentimento é uma espécie de juízo sobre essas emoções, que devido às emoções serem inconscientes, nem sempre correspondem à verdade.

É importante referir que emoções e sentimentos interagem entre si, emoções dão origem a sentimentos, contudo, um sentimento negativo gera mais emoções negativas. Quando aparece perante nós um perigo, antes de qualquer outra coisa, mesmo da consciência, existe a emoção, o medo, embora nos primeiros segundos nem o próprio indivíduo perceba o que está ocorrendo. Posteriormente surge o juízo “tenho medo”, ”estou assustado” e isso é que são sentimentos.

A insistência em ser aquilo que não somos e a persistência em fazer aquilo que não é da nossa natureza faz com que as emoções nos conduzam à tristeza, à frustração. E a negação em dar atenção a esses sentimentos, aprofunda-os até se tornar uma pressão quase insuportável. Ao persistir na negatividade mental e na tristeza, as emoções são afetadas e o cérebro desencadeia processos bioquímicos no corpo, compatíveis com o estado da negatividade. Por quanto mais tempo for a permanência nesse estado, mais crônica a situação se torna.

Deixe um comentário