Aqui você se encontra!

Espiritualidade, uma experiência de transformação

espiritualidade-nas-organizacoes
  • 12 de Abr de 2016
  • Sheila Almeida
  • 637 Visualizações
  • Seja o primeiro a comentar

A religião é um dos caminhos escolhidos para vivenciar a espiritualidade, mas não o único. As vivências espirituais geralmente causam um aumento do bem-estar emocional e psíquico, diminuem o senso de perda de controle e isolamento social. Assim, a espiritualidade pode nos auxiliar a enfrentar e superar as situações difíceis em nossas vidas, dando-nos a segurança que não estamos sós.

Mas, infelizmente, nem sempre a espiritualidade é vivenciada de forma saudável. E é preciso que fiquemos atentos para auxiliar emocionalmente quando percebemos que as vivências espirituais de algum conhecido estejam provocando insônia, sentimentos de insignificância, indignidade ou culpa, perda de peso, retraimento da interação social e, principalmente, se causarem perda de interesse, esperança ou até o abandono dos tratamentos clínico-científicos. Por meio de nossas emoções amorosas reconquistamos a sacralidade e o sentido de cada ato, em todo gesto de acolhimento e em cada etapa da nossa jornada.

Valorizamos a vida, desenvolvendo conscientemente a solidariedade, compaixão e cooperação, tão necessárias ao nosso planeta. Espiritualidade é aquilo que produz dentro de nós uma mudança. O ser humano é um ser de mudanças, pois nunca está pronto, está sempre se fazendo, física, psíquica, social e culturalmente. Mas há mudanças e mudanças. Há mudanças que não transformam nossa estrutura de base. São superficiais e exteriores, ou meramente quantitativas. Mas há mudanças que são interiores.

São verdadeiras transformações alquímicas, capazes de dar um novo sentido à vida ou de abrir novos campos de experiência e de profundidade rumo ao próprio coração e ao mistério de todas as coisas. Hoje a singularidade de nosso tempo reside no fato de que a espiritualidade vem sendo descoberta como dimensão profunda do humano, como o momento necessário para o desabrochar pleno de nossa individuação e como espaço da paz no meio dos conflitos e desolações sociais e existenciais.

Deixe um comentário